sábado, 4 de junho de 2016

A Coroa, a Igreja e o fenômeno Confrarial nas Minas Setecentistas - "Irmandade de São Miguel e Almas", (Transcrição)

Resumo
A fusão entre Igreja e Estado, decorrente do padroado, favoreceu a atuação leiga no âmbito da religião e, assim, as associações religiosas tiveram papel fundamental na vida social, política e religiosa da colônia. Os soberanos portugueses, ao estimularem a criação das irmandades, eximiam-se de subsidiar a construção, a ornamentação e a manutenção das igrejas, além de se livrarem dos encargos da assistência social à população. Ao longo do texto, procuramos demonstrar que as irmandades eram, além de um importante símbolo de prestígio social e poder, um espaço de sociabilidade, caridade e devoção.
Palavras-chave irmandade; Minas Gerais; São Miguel e Almas 
.............................................................................................................................................

Introdução
O nosso objeto de estudo é a irmandade de São Miguel e Almas, erigida em 1716, na antiga vila de São João del Rei, originada em função da corrida do ouro no interior da colônia. Nosso estudo visa conhecer o papel desempenhado pelos irmãos no espaço colonial a fim de perceber seu envolvimento com a produção dos cultos católicos, com os símbolos sagrados, o perfil social dos sodalícios presentes naquelas associações religiosas, suas relações com os poderes locais, suas sociabilidade e religiosidade. As associações religiosas tiveram papel fundamental na vida social, política e religiosa da Colônia. Na Capitania de Minas, a atuação leiga no âmbito da religião foi favorecida pela fusão entre Igreja e Estado instituída pelo Padroado1. Os soberanos portugueses, ao estimularem a criação das irmandades, eximiam-se de subsidiar a construção, a ornamentação e a manutenção das igrejas, além de se livrarem dos encargos da assistência social à população, os quais também ficavam a cargos das irmandades (SALLES, 2007: 23). Aassociação entre indivíduos que compartilhavam expectativas afetivas, materiais e espirituais em torno de uma mesma devoção religiosa é que garantia a seus membros socorro nos momentos de doença, ruína financeira, prisão, viuvez; amparo espiritual através da prestação dos cuidados necessários nos últimos momentos de vida como também após a morte, garantindo o sepultamento digno em território sagra do e assegurando, através dos sufrágios, a rápida passagem da alma pelo purgatório em direção ao paraíso (Idem: 122). A irmandade de São Miguel e Almas era composta majoritariamente por portugueses do norte da metrópole. Ali tinha assento homens brancos, de profissões várias, entre os quais portadores de inúmeras patentes militares e grande parte ocupando cargos na Câmara da vila. Podemos perceber que as irmandades que conferem maior prestígio a seus associados são sempre congregações cujos membros fazem parte da elite política, econômica e social daquelas localidades. As entidades de brancos, mais poderosas economicamente, chegaram a funcionar como casas bancárias, emprestando dinheiro a juro, até para o governo (SALLES, 2007: 23-24). A irmandade de São Miguel e Almas da vila de São João del Rei é um exemplo de irmandade que emprestava dinheiro a juros. Em 1782 a irmandade emprestou a juros de cinco por cento ao ano a quantia de um conto e seiscentos mil réis, parte do dinheiro que constituía o patrimônio da Capela das Almas, instituída na igreja matriz, ao Guarda Mor Antônio José da Silva Britto2. Em Os leigos e o poder, Caio Boschi (1986) relaciona 35 irmandades sob a invocação de São Miguel e Almas existentes na Capitania de Minas, montante que as coloca em terceiro lugar, em termos de vocação institucionalizada, sobrepujada primeiramente pelas irmandades do Rosário dos Pretos e, em segundo, pelas do Santíssimo Sacramento (Idem: 187). Essa relação atesta, no plano da religiosidade, a popularidade atingida por este culto.

....................................................................................................................................
Fonte: Artigo de Manoela Vieira Alves de AraújoMestranda em História Universidade Federal de Juiz  de Fora. Este trabalho faz parte da pesquisa que venho  desenvolvendo no mestrado, relacionada à temática da religiosidade e às irmandades mineiras no século  XVIII,  em especial a de São Miguel e Almas de São João delRei, voltada para o culto às almas do Purgatório. Financiado pela Capes (DS)http://migre.me/u0ULj