sábado, 1 de abril de 2017

(CONDE DE ASSUMAR) - CAMINHO VELHO, VERSÕES DE PERCURSOS E O ESPAÇO COLONIAL DE PIQUETE-SP.

"A descrição da viagem que fez o Conde de Assumar, em 1717, do Rio de Janeiro a São Paulo e de lá para as Minas, menciona basicamente o mesmo itinerário, com a diferença de que traz maiores informações sobre a rotina da viagem113. Depois de navegar no rio Paraíba por duas horas, atingiu uma passagem chamada Campinho, de onde prosseguiu com ―enfado e trabalho, porque o caminho era ruim. Embaú foi descrita como sendo um sítio ―amofinado e desgostoso‖, além do caminho ser tão ruim e os matos tão ásperos, que com dificuldade os cavalos conseguiam passar pelas árvores. Lá, aconteceu de dois cavalos caírem num ―lameiro‖ e a condução de outros vinte e cinco, todos carregados, ser penosa. Segundo o relato: ―todos os criados ajudaram a este miserável [Payo Rebello, integrante da comitiva], que estava já tão cheio de lama, que apenas se conhecia‖. No Embaú, hospedou-se o governador ―segundo o permitia o deserto114‖. 112 Francisco Tavares de Brito. ―Itinerário geográfico com a verdadeira descrição dos caminhos..., p. 902. 113 ―Diário da jornada que fez o Exmo. Senhor Dom Pedro desde o Rio de Janeiro até a cidade de São Paulo, e desta até as Minas ano de 1717‖. In: Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n.3, pp. 295-316, 1939. A indicação desse documento devo à leitura de Laura de Mello e Souza. Norma e conflito: aspectos da história de Minas no século XVIII. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999. 114 ―Diário da jornada que fez o Exmo. Senhor Dom Pedro‖..., pp. 310-311. 48 Da garganta do Embáu, prosseguiram até a íngreme Serra da Mantiqueira, agradecendo pela sorte de não ter sido em época de chuva. Porém, um dos cavalos caiu barranco abaixo, dentro de um rio, morrendo. No Rio Verde, parece que o Conde de Assumar não teve a sorte de encontrar ―as muitas roças e regalados doces mencionados por Antonil, pois ―passou-se parcamente. Entretanto, depois de tantas agruras, a viagem finalmente melhorou: nas casas de Manoel Pinto, Thomé Roiz, José Machado Paulista, José Roiz, Carrancas e Rio Grande, o governador encontrou ―magnificência‖ em suas hospedagens. No Rio Grande, Assumar foi atacado por uma dor de dente, que só fez piorar na noite seguinte, quando dormiu ―com bastante mortificação‖. Em São João Del Rei, o governador ficou de cama por causa da dor de dente, mas, depois de tomar alguns remédios, melhorou, ficando ―quase livre da moléstia115‖. A opinião da comitiva sobre São João Del Rei, ao contrário de Antonil, foi negativa. Segundo o diário, a vila, que podia ser ―a mais bem plantada da Capitania‖, era das piores. Depois de lá permanecer alguns dias, Assumar rumou para Lagoa Dourada, Camapuã, Congonhas, Tripuy e, finalmente, chegou à vila de Ribeirão do Carmo, sem contratempos116 . É difícil explicar porquê o Conde de Assumar optou por viajar pelo Caminho Velho quando, àquela altura, o Caminho Novo já era transitável. De qualquer forma, o diário dessa jornada sugere que o percurso do Caminho Velho era difícil somente nas proximidades da Mantiqueira, tornando-se mais agradável e ―magnífico‖ à medida que se aproximava a vila de São João Del Rei"
......................................................................................................
Fonte: Caminho e descaminho do ouro nas Minas Gerais; administração, territorialidade e cotidiano, http://migre.me/wm4cG, pág 39/40
Nota: Em muitas oportunidades, ao se referirem os pesquisadores ao traçado do caminho Velho. entre o Rio Paraíba e a transposição da Serra da Mantiqueira, desconsideram o relevo constituído pela Serra de Jaguamimbada, designação dada ao lado paulista da Serra da Mantiqueira, já citada em cartas do Jesuítas, relativamente a fato ocorrido em 1555. Outro controversa, está relacionada ao limite de navegabilidade do Rio Paraíba, que neste relato de Assumar, fica esclarecido que é o  "campinho", região do Guaipacaré.  Assertiva é confirmada nos relatos de Auguste de Sanin-Hilaire, quando da Segunda Viagem do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo, ao passar pela região de Lorena em 1822, afirma com todas as letras que; a navegabilidade do rio Paraíba, a partir de dessa localidade, torna-se difícil em razão das "catadupas".  O texto busca considerar ainda, os motivos pelos quais Conde de Assunar não escolheu o Caminho Novo, supostamente melhor. É possível considerar que pudessem oferecer ao Conde um melhor caminho, após haver esse determinado a prisão de 03 maiorais da Freguesia da Piedade, que estiveram quando de sua estada em Guaratinguetá, questionando os valores cobrados na passagem do Paraíba? Definitivamente, resultava impossível trilhar como fizeram, pela várzea do Paraíba. Ou a referência reiterada ao caminho da Serra Acima, não justifica necessariamente seguir à partir da foz de um rio em direção à parte mais alta. 
*Toponímias do CaminhoGuaratingueta-SP,  Guaipacaré (Lorena-SP), Registro (Piquete-SP), Conceição do Embaú (Cruzeiro-SP)