sábado, 4 de outubro de 2014

O Retrato Do Rei - Ana Miranda -



   
O Retrato do Rei é um romance da poeta e romancista brasileira Ana Miranda, publicado em 1991 em São Paulo.

Resumo da história

Trata-se da guerra dos emboabas, que ocorreu no Brasil de 1707 a 1709, entre paulistas e portugueses, principalmente. Emboabas é o termo usado pelos paulistas para designar os forasteiros.
O livro é organizado em seis seções: O contrato da carne; O retrato do rei; A herança; A guerra; À ventura; Pós-escrito. O conflito todo começa devido ao contrato da carne ter sido retirado das mãos do frei Francisco, o qual passa a arquitetar ações para que a guerra ocorra e depois ajuda os portugueses a vencer a guerra. O retrato do rei de Portugal foi enviado a Minas Gerais, para ficar com os paulistas e mostrar aos portugueses de que lado Vossa Magestade estava, mas o retrato acaba sendo escondido por Mariana de Lancastre depois de ser envenenada por frei Francisco.
Mariana é uma fidalga portuguesa que vai à Minas para falar com o pai prestes a morrer. Seu pai manda um paulista desbravador ir buscá-la: Valentim. Ao longo do penoso caminho, eles apaixonam-se, mas nada revelam um ao outro. A seção da herança fala da morte do pai de Mariana e da data de ouro que ela herdou, sem ter um escravo para trabalhar lá. A fidalga, que estava de posse do retrato do rei, veste-se de homem e foge de Valentim e dos paulistas e fica morando na data. Valentim vai atrás dela para ficar apenas vivendo perto dela e olhando-a por alguns dias, sem falar de seus sentimentos.
Os desentendimentos entre paulistas e portugueses aumentam e os portugueses chegam a matar a pauladas um paulista velho e desarmado pelas atitudes de seus filhos. Assim, a guerra começa. Os paulistas são mais valentes e habilidosos no combate, mas os portugueses confiscam as armas deles. Os paulistas refugiam-se em Sabará para fortalecerem-se para a guerra, e cortarem a estrada que traz a carne a ser comercializada vinda do norte. Os portugueses atacam, ateando fogo em todo o vilarejo. Outras batalhas acontecem, mas os paulistas só são definitivamente derrotados quando são covardemente massacrados pelos portugueses depois de 6 dias de fome e rendidos. Valentim e Heironimo, os líderes, estavam em São Paulo buscando reforços, por isso escapam ao ataque. De São Paulo parte um exército paulista que conquista duas cidades em seu caminho, mas rendem-se e voltam a São Paulo depois de os portugueses devolverem o retrato do rei a eles.
Mariana, que estava vagando por Minas atrás de Bento do Amaral, que lhe roubou o retrato do rei, assume para si o amor que sente por Valentim e vai para São Paulo atrás dele. Ao chegar lá e vê-lo noivo de outra, ela rouba o retrato da Câmara dos vereadores e foge para o mato, aonde se joga segurando o retrato do rei numa grande queimada. Valentim larga a noiva e procura desesperadamente por ela por toda a região.

Personagens principais

  • Mariana de Lancastre;
  • Valentim Pedroso de Barros;
  • frei Francisco de Menezes;
  • Hieronimo Pedroso de Barros;
  • Fernando de Lancastre;
  • Bento do Amaral;
  • Manuel Nunes Viana;
  • Manuel da Borba Gato;
  • Hieronimo Pedroso;
  • Pedro de Moraes Raposo
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre http://migre.me/lXvIy
...................................................................................................................
Espaço Colonial de Piquete no Roteiro do Caminho da Narrativa contida no Romance Retrato do Rei. Uma vez que o caminho percorrido necessariamente a partir do povoado com cabanas e uma pequena igreja sobre uma colina coberta de plantação de bananeiras às margens do Paraíba. (Vila de Guaipacaré),  era em direção ao Registro (Piquete-SP), no sopé da Mantiqueira. Especificamente no Bairro do Itabaquara, onde começa o Vale do Embau e os rios, passa quatro, passa vinte, passa trinta,  que André João Antonil  segundo o qual eram atravessados inúmeras vezes razão da denominação atribuída, "Cultura e Opulência do Brasil com suas Minas e Drogas",  em seu respectivo roteiro.  (Retrato do Rei - Ana Miranda - São Paulo, Companhia das Letras 199, Capitulo 10 pág. 92 e Capitulo 11, pág 96), na fala do personagem Valentim temos:
 
                                    Capitulo 10
                                                      Frei Francisco chegou ao Pindamonhangaba e dali atingiu o Guaratinguetá. Mas dois dias caminhando até o pôr-do-sol, e ultrapassou o porto Guaipacaré, onde ficam as roças de Bento Rodrigues. Três jornadas depois avistou o Paraíba correndo no meio de um vale.
                                    A viagem transcorria com lentidão quando Frei Francisco, feliz, ouviu um sino ecoando. A estrada melhorou, tornou-se mais larga, pavimentada de pedras grandes.
                                     Avistou ao longe Mariana e seu cortejo.
                                      Às margens do Paraíba, um rio caudaloso cercado de rochedos, havia um povoado com cabanas e uma pequena igreja sobre uma colina coberta de plantação de bananeiras. Atrás de uma das casas, pastavam cavalos que serviam de muda às escolta do ouro.
....................................................................................................................................................................................
                                   Capitulo 11
                                   "Já estamos no Sertão de Minas?" , perguntou Mariana, ao atingirem o sopé de uma montanha.
                                    "Sim", disse Valentim, abaixando-se e recolhendo um punhado de terra vermelha. "Aqui começa o Embaú. Embau quer dizer garganta, vale. Estais vendo aqueles morros?" Valentin apontou uma  massa verdejante de matas.
                                      "São a Mantiqueira", ele disse. " Muros altos, para que nas Minas não cheguem os fracos.