sexta-feira, 28 de outubro de 2016

A LINGUAGEM CIFRADA NOS “PONTOS” DE JONGO por Maria Vergínia Chambela Costa (UCB)


A pesquisa em questão diz respeito a uma análise da linguagem cifrada nos pontos de Jongo com a intenção de mostrar a riqueza de linguagem que existe nessa manifestação folclórica.
As manobras estilísticas (Ducrot, 1977) e os jogos lingüisticos através da mutação semântica das palavras (Giraud - 1975) estão sempre presentes.
Em princípio, é primordial que se entenda o que significa “Jongo”.
É uma palavra oriunda do quimbundo, língua dos indígenas bantos de Angola. É um rítmo que chegou ao Brasil- colônia, com os negros trazidos como escravos para o trabalho forçado nas fazendas de café do Vale do Paraíba.
Os bantos são membros de uma grande família etnolinguística dos escravos chamados angolas, congos,cambindas, benguelas e moçambiques e foram os primeiros escravos que chegaram ao Brasil.
A dança do Jongo é de intenção religiosa -fetichista, podendo ser considerada afro-brasileira. É uma coreografia de roda, com movimentos circulares no sentido contrário aos dos ponteiros do relógio. Dança-se ao som de dois tambores: um grande“tambu”, outro pequeno, “candongueiro”; de uma “puíta”ou “cuíca”. Usam também “guaiás”(chocalhos).
Os jongueiros procuram vencer um ao outro num desafio, através dos “pontos” do jongo. A dificuldade reside no texto dos pontos, pois são todos enigmáticos e metafóricos.
Ponto é uma pergunta versificada, cantada, falada ou declamada que o adversário precisa adivinhar o que seja. Se adivinha ele “desata” ou “desamarra” o ponto.
Os pontos encerram um sentido simbólico que dá às palavras uma semântica peculiar aos jongueiros, possibilitando o entendimento entre eles. As frases curtas retratam o contato com a natureza, o dia-a-dia do trabalho braçal nas fazendas, a revolta com a opressão sofrida e a saudade da África. Sempre no linguajar do homem rural.
Os escravos trouxeram com eles o ritmo africano para cultuarem, em seus rituais, os seus ancestrais e deuses. Aqui aconteceu o que é chamado pelo folcloristas de “funcionalidade do folclore”, baseado no fato de que o povo não conhece o ato gratuito, tudo o que faz tem um destino ou preenche uma função. O fato folclórico se modifica de acordo com a sociedade.
Esses escravos se comunicavam através de mensagens secretas, onde protestavam contra a escravidão, zombavam dos patrões publicamente, combinavam festas de tambor e fuga.
Segundo Ducrot (1977), quando fala sobre “O implícito fundado na enunciação”, o ato de usar a palavra não é, “nem um ato livre, nem um ato gratuito”. Não é livre porque algumas condições devem ser satisfeitas para que se faça uso da fala; não é gratuito, porque toda fala apresenta-se motivada, pois está sempre respondendo a certas necessidades ou visando a certos fins.
Os jongueiros aprenderam a trocar o sentido das palavras, criando um novo vocabulário para se comunicarem entre si e fugirem do castigo dos senhores que não entendiam esta linguagem cifrada, enigmática e metafórica.
Ex: quando algum escravo via o senhor chegando, avisava aos outros através do ponto.
Ei campo quimô
Ei campo quimô
Piquira tá curiando
Piquira tá curiando, é...
Nota: piquira é um peixinho muito pequeno e os escravos eram os piquiras em atividade.
E quando não o avistavam com tempo de avisar aos companheiros cantavam:
O cumbi virô, ei, ei, ei
o cumbi virô ,ei, ei, ei
cumbi, á, á, á, á, á,
Nota: cumbiera o “sole”. Simbolismo de autoridade, sol e sinhô.
E ao terminarem as atividades e chegada a hora de ir embora, cantavam: “Vamo simbora ,vamo simbora
A coroa do rei alumiô”.
Nota: a lua já havia aparecido. A lua era a coroa do rei, do sol. Era noite. Giraud (1975) explica que “o valor semântico de uma palavra é o seu sentido” e também afirma que “uma mutação semântica é uma mutação de sentido”. Em muitos casos o enunciado contido no ponto do jongueiro serve apenas para fazer a mensagem passar, deixando-lhe a possibilidade de refugiar-se por trás do sentido literal.
Ex: água com areia
Não pode combiná
Água vai imbora
Areia fica no lugá
Nota: água é o fazendeiro novo, inexperiente, sem prestígio político, que fracassa em seus negócios; areia é o proprietário antigo, poderoso, forte, que domina o município.
Manobras estilísticas é o termo empregado por (Ducrot, 1977) quando: a manifestação do conteúdo implícito repousa numa espécie de astúcia do locutor. Sabendo que o destinatário vai procurar as motivações possíveis do ato de enunciação realizado, e que , se acreditar na honestidade desse ato, vai interrogar-se sobre as conseqüencias dos fatos enunciados, o locutor procura trazer o destinatário para o seu próprio jogo e dirigir à distância seus raciocínios”.
O jongueiro procura sempre enredar os outros com jogos lingüísticos e manobras estilísticas, no sentido de provocá-los com palavras para testar sabedoria.
Ex:
Vim no seu caminho
Mas não vim furá pilão
Eu venho contá vaca
Não venho contá bezerro
Nota: “estou no seu caminho, mas sem má intenção, não vim brigar nem ofender, vim para as coisas de maior importância e não quero saber de ninharias”.
Ex:
Debaixo de papai velho
Menino tá sepurtado
Quero contá do meu ponto
Menino tá sepurtado”
Resposta do outro jongueiro:
Meu irmão sendo mais velho
Licença peço procê
Eu vô desinterrá menino
Pra nóis tudo aqui bebê.
Nota: “o chefe do jongo , companheiro do cantador desde a infância, enciumado com a sabedoria, enterrou uma garrafa de pinga debaixo do tambu”.
Ainda, segundo Ducrot (1977) as manobras estilísticas permitem ao locutor fazer com que o destinatário entenda o que se quer dizer sem ter dito, fugindo aos riscos que poderiam surgir com a explicitação. O ouvinte fica sabendo mas, ao locutor fica garantido o poder de negar.
Os jongueiros utilizavam, largamente, estas manobras em seus pontos, como se pode ver:
O pinto com o galo
Dorme junto no polero
Se o galo facilitá
O pinto canta primero.
Nota: galo, jongueiro velho; pinto , jongueiro novo. Todos juntos na dança, mas o galo deveria ter cuidado para que o mais novo não demonstrasse maior sabedoria.
Segundo Mangueneau (1996), o implícito desempenha um papel primordial onde “dizer , nem sempre é dizer explicitamente”; o dito e o não dito estão sempre entrelaçados no discurso onde “a pragmática concede todo o peso às estratégias indiretas do enunciador e ao trabalho de interpretação dos enunciados pelo co-enunciador. Muitas vezes o locutor enuncia o explícito para fazer o implícito passar, invertendo a hierarquia “normal” para chegar a seus fins”. Isso pode ser visto nesses pontos:
O mundo estava torto
São Pedro endireitô
Na sola do seu sapato
Corre água e nasce frô.
Nota: água, simboliza pinga; havendo água, há flor; havendo pinga, há alegria.
Eu vim de baixo
Sinhá me falô
Não catuca boi da guia
Que eu também sô guiadô.
Nota: boi da guia, é o principal, que dá direção aos outros. Um jongueiro estava provocando o chefe , e um outro avisa que não o melindrasse, que ele também era guiador, estava, portanto, ali, para defendê-lo.
Dandeiô, danda, bandeira de São Pedro,
Letrero de São João.