sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Caminhos do Peabiru (Transcrição)



Peabiru é o nome pelo qual ficou conhecido, não só um caminho, mas toda uma extensa rede de trilhas que ligava a região dos Andes á costa do Atlântico (de Cuzco, no Peru até São Vicente no litoral paulista e Palhoça no litoral catarinense - passando pelo interior do Paraná).
Há mais de uma tradução para esta palavra assim como muitas hipóteses para sua origem, criadores e o verdadeiro significado desse caminho milenar que ultrapassava 3000 quilômetros, sendo 1200 dentro do território brasileiro.
Descrito desde o século 16 como possuindo cerca de “oito palmos de largura”, algo em torno de 1,40 metros, com uma profundidade de 40 centímetros e forrado por uma grama miúda e macia tão fechada que impedia o crescimento de qualquer outra espécie de vegetal mantendo a passagem sempre livre. O professor Moysés Bertoni, pesquisador da cultura dos índios Guaranis, afirma que a grama foi plantada apenas em alguns trechos, mas as sementes que grudavam nos pés e nas pernas dos viajantes acabaram estendendo o revestimento aos demais trechos.
A misteriosa e hoje quase desconhecida estrada serviu para os conquistadores europeus alcançarem a notável civilização Inca por terra, anos antes de Francisco Pizarro destruí-la quase completamente.
Uma das hipóteses sobre a construção do Peabiru supõe justamente que o caminho tenha sido uma tentativa de expansão do Império Inca, ou de alguma civilização pré-incaica, em tempos muito antigos na direção do Oceano Atlântico. Neste caso, a expressão original Pe-Biru significaria algo como Caminho para o Biru, nome pelo qual os Incas denominavam seu território.
O historiador Luiz Galdino, em seu livro “Peabiru – Os Incas no Brasil” fundamenta que os Peabirus testemunham antigas incursões com o propósito de estender o domínio incaico até onde nasce o Sol - as margens do Atlântico.
Como via de mão dupla, o Peabiru permitiu a chegada dos Guaranis aos Andes. Mesmo sem relações duradouras, as idas e vindas de Guaranis e Incas pelo caminho deixaram vestígios de uma certa influência cultural na astronomia (leitura e uso de manchas da Via Láctea), estatística (semelhança do ainhé, cordão de cipó Guarani com o guipu dos Incas), música (flauta de pã), armamento (semelhança da macaná, borduna Guarani com a maqana incaica), denominação de fauna e flora : sara (espiga, em Guarani; milho em Quêchua); cui (animal roedor, nos dois idiomas); jaguar (felino, nos dois idiomas); mandioca e ioca; iuca, suri (ema, nos dois idiomas).
Outra hipótese aponta na direção dos Guaranis ou povos antecessores, como os Itararés, na construção do Peabiru, entre os anos 1000 e 1300. O termo, então, poderia ser interpretado como Caminho para a Terra Sem Mal, e estas tribos, originárias do território onde hoje fica o Paraguai, teriam construído o Peabiru durante sua migração para o litoral sul do Brasil, em busca de um paraíso, a lendária “Yvy Marã Ey” Terra Sem Mal.
Uma terceira hipótese é que o Peabiru teria sido aberto por ninguém menos que São Tomé, o incrédulo apóstolo de Cristo. Sérgio Buarque de Holanda, um dos mais importantes historiadores brasileiros, diz que a comoção criada no século 16 pela descoberta de um Caminho de São Tomé por pouco não desbancou o célebre Caminho de Santiago de Compostela.
A passagem de Tomé pelo Novo Mundo foi mencionada por índios, padres, autoridades e colonos europeus no século 16. A versão corrente é que um homem branco, barbudo, teria chegado ao litoral brasileiro “andando sobre as águas”. Os indígenas brasileiros o chamavam de Sumé.
Em sua peregrinação, teria ido ao Paraguai, abrindo o Caminho. Ali foi visto e chamado de Pay Sumé. Saindo do Paraguai, a misteriosa figura teria continuado até os Andes. Os pré incas o chamaram de Kuniraya. Mais tarde, o personagem recebeu dos Incas o nome de Viracocha. Após um período no Peru, ele teria ido embora, também “andando sobre as águas”.
O trânsito intenso através do Peabiru chegou a ser proibido, em 1553, por Tomé de Souza. Segundo o então Governador Geral do Brasil, era preciso fechar o caminho milenar e punir quem por ali transitasse com a pena de morte, pois “a fácil comunicação entre a Vila de São Vicente com as colônias castelhanas causavam um grande prejuízo à Alfândega Brasileira, resultado do contrabando”.
Só muito tempo depois, algumas dessas trilhas foram aos poucos sendo reativadas.
Provavelmente é o caso do chamado Caminho Velho, que teria usado uma das antigas ramificações do Peabiru para ligar Paraty, no litoral sul do Rio de Janeiro às Minas Gerais. Com a descoberta de pedras e metais preciosos naquela região do interior do Brasil, o Caminho Velho foi calçado com pedras e passou a ser conhecido como Trilha do Ouro.
Hoje boa parte da Trilha do Ouro pode ser desfrutada em passeios turísticos a partir da cidade histórica de Paraty no litoral sul do Rio de Janeiro.
Ainda hoje, muitos consideram os resquícios do Peabiru como um caminho sagrado, próprio para peregrinações pelo interior do Brasil, a partir de vários pontos do litoral principalmente Santa Catarina, Paraná e São Paulo.
O Peabiru, também conhecido como “Caminho de Grama Amassada”, foi quase todo destruído pela intensa ocupação humana, restando pouquíssimos vestígios. Os mais importantes deles até o momento localizam-se em Pitanga no Paraná.
Nas margens do rio Três Barras e da baía da Babitonga (Joinvile - SC) começavam as ramificações do Peabiru conhecidas como Caminho Velho, Caminho de Três Barras, Caminho dos Ambrósios, Caminho de São Tomé, Caminho dos Jesuítas e Caminho de Monte Crista e se estendia por mais de duzentas léguas até à cidade de Cuzco no Peru. No Caminho de Monte Crista, que é apenas uma pequena parte da milenar trilha existem algumas obras de engenharia simplesmente admiráveis. A peculiar técnica de construção das canalizações d’água, como a da escadaria de pedra, faz lembrar as antigas obras de engenharia que se encontram na região andina, feitas por civilizações incas e pré-incaicas.
Ainda não é possível saber a rota exata do Caminho, mas, é possível traçar um roteiro aproximado.
O tronco paulista, que começava em São Vicente e Cananéia seguia a direção do Rio Tietê - município de Itu - Rio Paranapanema – Rio Itararé – nascente do Rio Ribeira do Iguape.
Entrando no Paraná percorria Doutor Ulisses – Cerro Azul – Castro – Tibagi – Reserva – Cândido de Abreu – Pitanga – Palmital – Guaraniaçu – Corbélia – Nova Aurora – Tupãssi – Assis Chateubriand – Palotina – Guaíra.
O tronco principal catarinense iniciava-se no Massiambu (Palhoça), seguindo por Florianópolis – litoral norte – Rio Itapocu – Guaramirim – São Bento – Mafra. Entrava no Paraná por Rio Negro – Campo do Tenente – Lapa – Porto Amazonas – Palmeira – Castro (trecho usado depois pelos tropeiros).
O Peabiru deixava o estado do Paraná por Guaíra. Havia outra passagem por Foz do Iguaçu – usada por Alvar Núñez Cabeza de Vaca em 1542.
O Peabiru então seguia ao norte até a Serra de Santa Luzia perto de Corumbá – Mato Grosso do Sul. Em Puerto Suarez penetrava na Bolívia, passava por Cochabamba – Sucre – Potosí. Nesses locais existiam caminhos Incas com várias opções para alcançar o Pacífico, as mais próximas eram Tacna, Montegua e Arequipa.
O geógrafo Olavo Raul Quant, em seu livro “Peabiru – O Caminho Velho” esclarece que depois de os portugueses e espanhóis chegarem à América do Sul, o Peabiru foi trilhado pelos padres jesuítas, por viajantes que vinham da Espanha e não queriam passar pelo Rio da Prata. Registros documentais das épocas indicam que Aleixo Garcia, Alvar Núñez Cabeza de Vaca e Fernando de Tejo y Sanábria, fizeram suas expedições por esses mesmos caminhos.
O português Aleixo Garcia utilizando o Peabiru foi o primeiro europeu a fazer contato com os Incas e a penetrar o interior do Brasil e do Paraguai em busca de um acesso às riquezas desse povo, no ano de 1524 a partir do litoral de Santa Catarina e rumando para oeste seguindo o caminho traçado pelos índios, chegou à região de Assunção, no Paraguai. Depois de diversas peripécias e confrontos com inúmeras tribos uma pequena parte de sua expedição retornou com peças de ouro e prata tomadas dos Incas.
O trajeto percorrido por Aleixo Garcia iniciou-se em Florianópolis no oceano Atlântico e foi até Potosí na Bolívia, pegando depois as estradas dos Incas e indo terminar no oceano Pacífico. Ou seja, é um caminho transcontinental pré-colombiano.
O “Caminho do Aleixo” – talvez o mais importante de todos – não é na direção norte-sul e nem leste-oeste, mas sim “inclinado”. Ele vai aproximadamente de sudeste para noroeste.
Ao notar essa inclinação a primeira pergunta que se coloca é a seguinte: por que os primeiros índios escolheram essa direção ao abrir a trilha? E como eles se orientaram para percorrer esse caminho?
É espantoso constatar que os Guaranis de Florianópolis falaram para o Aleixo Garcia que conheciam Potosí nos Andes. Que sabiam como ir e como voltar. Isso tudo a pé, em 1524, mais de 2000 quilômetros em linha reta – naturalmente seguiam os acidentes naturais, rios e tudo o mais – mas a direção inicial/final era Sudeste - Noroeste.
Ao olhar para o céu, em condições propícias, vemos a Via Láctea, que é chamada pelos Guaranis de Caminho da Anta (Tapirapé), ou Morada dos Deuses.É natural supor que o caminho da Terra Sem Mal, para eles era aquele caminho que estava lá em cima, no Céu. Que é o Caminho dos Deuses, dos espíritos, é a própria Via Láctea.
Não são só os nossos índios que viam assim. Pesquisando na História notamos que egípcios, os gregos, os indianos, todos viam a Via Láctea como um caminho. Os antigos nos falavam que havia um tesouro no fim e outro no começo do arco-íris. E a gente vivia sonhando em encontrar o começo e o fim dele. Fazendo uma comparação, os índios brasileiros e também os peruanos, queriam saber onde começava ou terminava o arco-íris celeste, ou seja, a Via Láctea.
Seguindo a Via Láctea, por terra, viam que o fim do Caminho ia dar no mar, no oceano Atlântico. E a Terra Sem Mal ficava “ali”, ou “lá”, em algum lugar. Por isso é que os índios foram à direção do mar. Por isso é que na maioria dos mitos indígenas, o profeta, o Sumé, vem do mar. Porque ele vem daquela ponta da Via Láctea à qual o índio não tem acesso.
Muito bem, pensa o índio, mas e do lado contrário do Caminho da Anta, o que existe? O índio não sabe. Então ele vai procurando na terra, seguindo a Via Láctea. E acaba chegando ao outro lado, que também não tem fim, chega num outro mar, o Oceano Pacífico.
Então a idéia básica é essa. O Caminho que nosso índio percorreu é aquele da Via Láctea, quando está mais alta no céu. E que é também, aproximadamente o caminho que liga as posições do nascer-do-sol no verão com o pôr-do-sol no inverno. Ou, Sudeste - Noroeste.
Segundo o historiador Eduardo Bueno, depois da jornada de Aleixo Garcia, o Peabiru se tornou um caminho bastante conhecido e muito percorrido. Por ele seguiria, em 1531, a malfadada expedição de Pero Lobo, um dos capitães de Martim Afonso de Sousa.
Também pelo Peabiru passaram Alvar Nuñes Cabeza de Vaca em 1541 e Ulrich Schmidel em 1553, jesuítas como Pedro Lozano e Ruiz de Montoya também o percorreram em suas missões de catequese aos Guaranis. Um século mais tarde, seria também pela via do Peabiru que Raposo Tavares e outros bandeirantes paulistas seguiriam para realizar seus devastadores ataques às missões do Guairá, no atual estado do Paraná.
Segundo Jaime Cortesão, foi pelo Peabiru que a civilização européia adentrou a oeste e subiu aos Andes. E para expressar a velocidade da penetração, basta assinalar que o gado, introduzido em 1502 em Cananéia, aparecia já em 1513 na Corte Incaica. Esta rapidez na disseminação de um elemento cultural prova quanto eram rápidas e ativas as comunicações através do continente.
Ainda no século XVI, o Peabiru foi o caminho usado para a fundação de Assunção, no Paraguai, para a criação de três ou quatro cidades espanholas no atual Estado do Paraná, para a implantação de 15 reduções jesuítas e até para a descoberta da maior mina de prata do mundo em Potosi, Bolívia.
Cortesão relata que, se julgamos tal caminho merecedor de tantas referências, é porque não somente foi o mais importante da face atlântica da América Latina, mas também o maior varadouro cultural e civilizador desta parte do mundo.
Depois de 1630, quando os bandeirantes entraram no Paraná e destruíram as cidades espanholas e as missões dos jesuítas, o Peabiru foi praticamente abandonado. O caminho ainda conseguiu retomar vida no século XIX, quando serviu, mais uma vez, para entrada de uma nova leva de homens brancos, os colonizadores pioneiros do interior do Paraná.
É notória a importância que o Caminho de Peabiru possui seja pelo traçado que cortava o continente, seja pelas personagens que por ele transitavam, pois é através dele que a verdadeira história e cultura de nossos antepassados são transmitidas nos dias de hoje, apesar da colonização européia que, utilizando do Peabiru adentrou na nossa região a fim de explorar o povo e a grandiosa riqueza natural aqui encontrada.
O Peabiru é um caminho de importância inquestionável e deve ser resgatado para que as raízes do nosso povo sejam mantidas vivas entre o maior número de cidadãos e não apenas na memória de poucos estudiosos.