terça-feira, 9 de setembro de 2014

Natividade da Serra-SP: - Especulações sobre a ruína de Natividade - Escavações pouco planejadas já danificaram irreversivelmente a espetacular ruína. (Transcrição)




O pequeno município de Natividade da Serra, situado às margens do Reservatório de Paraibuna,  no Estado de São Paulo, guarda vestígios ainda intactos de uma desconhecida civilização.
 .........................................................................................................................
Natividade da Serra é um município brasileiro pertencente ao Estado de São Paulo, na Microrregião de Paraibuna/Paraitinga, pertencente à Mesorregião do Vale do Paraíba Paulista. Localiza-se a uma latitude 23º22'32" sul e a uma longitude 45º26'31" oeste, estando a uma altitude de 720 metros. Sua população estimada em 2004 era de 7.205 habitantes. 
A ruína aqui mencionada se localiza ao sul do Bairro das Palmeiras, pouco acima do chamado Bairro Alto. Como não estive no local só posso fazer observações pelo que vi em dois sites, o Piramidal e o Jornalismo Ciência e Cia.
A primeira hipótese em que poderia pensar é que alguém andou cortando pedras para uso em construções a meados do século XIX. A referência à ocupação da área, diz que começou em 1853.
Poderia haver um afloramento rochoso e terem sido cortadas pedras que ficaram largadas por ali, algumas se assemelham, ao menos de longe, a lajes para pavimentar pisos. No entanto, outras evidências contrariam esta hipótese.
 
 
Repare nas lajes que essas pessoas acima estão pisando. Com um pouco mais de análise diria que são muito grossas para servir apenas de pavimentação. Mais parecem blocos para uma alvenaria de pedra aparente, sofisticada. Pela foto, a pedra que está embaixo do pé de um deles tem 0.60m, de largura por 0.25m de altura. Já o comprimento não se pode dizer exatamente, mas estimemos em, no mínimo 1.25m. Esta pedra sendo de granito pesa no mínimo 487 quilos (peso do granito, 2.600 quilos por m³). E se o comprimento for 1.80m seriam 700 quilos por bloco. 
As lajes são regulares pelos seis lados, e lajes para pisos antigos coloniais não precisavam ter a parte de baixo regularizada, seriam menos grossas. Esses blocos possivelmente eram de paredes de uma construção prestigiada, de importância religiosa ou cerimonial, com certeza não eram de uma simples moradia. 
Ou então, teríamos que admitir que alguém tentou fazer uma igreja no meio do nada. Ou então, o que? O silêncio em torno deste sítio e a incapacidade de todos os que deveriam dar respostas é assustador, diante do que ele possa significar. E mesmo que não seja nada importante, o desinteresse científico demonstrado é frustrante. Será que precisaremos chamar uma universidade europeia ou americana para nos dizer algo a respeito? 
Nesta primeira foto (acima) notamos também que a ruína ocupa o topo de um morro e ao fundo vemos a estrutura que montaram para desmontar parte da ruína. Portanto esta construção se estende numa área bem grande, evidentemente, não é uma única construção, mas várias. No sopé desse mesmo morro parece haver outra estrutura enterrada perto do açude. 
Também, parece que no topo desse morro foram usados os materiais mais nobres, como é o caso de alvenaria de pedra com junta seca e bem aparelhada. 
 Aqui temos mais lajes padronizadas, onde se percebe que não tem cantos tão vivos, mas bem arredondados. Poderíamos continuar, por enquanto, a desconfiar que fosse material para uso no século XIX, mas esses cantos arredondados me fazem pensar que não foram obtidos a base de cinzel, mas por percussão de pedra com pedra. E em consequência, toda a sua superfície ficou apicoada. 
Mas vamos continuar admitindo que possam ser restos de alguma pedreira do século XIX. Porque um morro com afloramento rochoso pode ter no seu topo blocos soltos que, eventualmente, seriam mais fáceis de trabalhar do que uma pedreira do tipo, paredão em morro.
 
 Muita pedra, parecendo haver um bloco bem grande de aresta reta, mas é impossível dimensionar. Este panorama poderia, confirmar que o local seria interessante para preparar blocos para uso na época colonial. 
 Pelos restos escavados de maneira brutal, se nota que escavaram até o recheio entre os blocos dificultando sua interpretação. Podemos ver o que na foto parece ter sido uma escada rústica, ou tipo de escada de caminho empedrado onde se misturam, às vezes, com partes em rampa.   
Neste caso o trabalho já é menos sofisticado que em relação aos blocos das fotos 1 e 2. Aqui os blocos não foram padronizados.
 
 Acima, parece ter sido uma rampa, mas escavaram demais, sem critério, sem conhecimento e a ruína acabou por ter danificada a sua forma original.
 
 Blocos grandes como estes, evidentemente, não faziam parte de uma parede e com certeza era um piso. No máximo seria uma escada ou mesmo uma mistura das duas soluções. Mas para que blocos tão grandes? Pelo cabo da enxada que vejo ao fundo, poderia dizer que o bloco maior, o que se encontra com a enxada, deve ter 1.80 m de comprimento, 0.40 m de largura e 0.65 m de altura. Isso daria um peso em torno de 1.200 quilos. 
Vale a pena fazer outra observação. Aqui se nota uma coisa que pode parecer bobagem, mas não é. Normalmente, quando se trabalha com elementos de alvenaria se intercala a junta entre um elemento e outro. Ao menos fazemos isto em paredes para amarração, mas aqui se nota que os blocos estão alinhados em sua maioria.  
Bem ou mal as juntas deixam uma passagem livre, entre os blocos. Perguntaria, o que havia entre eles? Material que permitisse drenagem ou argamassa? Se alguém teve o trabalho de pensar nisso, conhecia a importância da drenagem para e a estabilidade de uma construção. E mesmo que fosse argamassa permitiria alguma facilidade e de novo está parecido com técnicas andinas. 
 Aqui vemos mais pedras aparelhadas. Não dá para dizer a que elemento pertenciam. Escavando de maneira caótica se perde a interpretação do que vai aparecendo. Notam-se manchas na pedra. E possível que algum objeto possa ter se desintegrado deixando esta mancha ou pode ser apenas uma alteração causada por algum mineral. 
 Nessa foto vemos o local onde havia parte da construção. Só deixaram esse bloco. Mas, pela foto, podemos dizer várias coisas. À direita o morro sobe e vai até aquele ponto da foto 1. As rampas que vimos estariam (na posição de quem tirou a foto) subindo para a direita.  
Ao fundo se vê os prédios do Hotel Fazenda Palmeiras. Antes deles, o açude, encoberto pelo mato. Entre este morro e o açude se pode ver pela fotografia aérea no Google Earth que existe uma estrutura enterrada com pelo menos 70m de comprimento, antes do açude na direção desta foto. Ela é reta e se notam dois ângulos retos nas extremidades. 
Mas nessa foto, o que vemos é estarrecedor, pois parte da ruína foi retirada do local como se houvesse um trabalho de zapa planejado, como se se quisesse ocultar algo. Aquele bloco sozinho, resto dos restos, é uma gargalhada na nossa cara. Até quando? E o pior é que talvez tudo tenha acontecido, apenas por ignorância. 
Ou há um trabalho deliberado para apagar parte da memória nacional? 
Não sei porque insistem em dizer que é uma pirâmide. O que deve ter acontecido é que sendo um conjunto de construções em um morro, com o tempo e as árvores nascendo e morrendo, foi sendo descalçado superficialmente e com a erosão foi desmoronando e ficando com a forma bruta de algo piramidal. Tenho certeza que muita gente achou que o assunto não era sério exatamente por o terem descrito a ruína como uma "pirâmide". As pessoas imaginam logo a pirâmide de Quéops. 
Também não entendo porque tanta análise geológica e comparação com coisas longe da América do Sul. Foi comparada a monumentos de sinalização no México. Dá para perceber que estamos diante de ruínas claras de um complexo construtivo distribuído, principalmente, ocupando um morro. Diria, de maneira ousada, que é muito similar às construções de culturas andinas.  
Aquelas lajes das fotos 1 e 2 são perturbadoramente parecidos a blocos de alvenarias de pedra seca incaicas. 
E sendo mais atrevido diria que parecem as arquitraves das construções incaicas (peças que arrematavam a parte superior das janelas, junto ao início do telhado). E digo claramente, janelas, porque uma arquitrave de porta é maior, mais comprida. Fazendo-se análise e medição das peças de pedra encontradas daria até para presumir como seria o edifício parcialmente (espessura de paredes, largura de janelas, etc.). Poderia compará-las ao estilo definido como “inca imperial”.
 
 
Este bloco, segundo os artigos referidos, tem 1.75 de comprimento por 0.35 de altura por 0.75 de largura, e podemos calcular seu peso em 1200 quilos. O tipo de lajes seguindo um padrão de paralelogramo como vemos nas fotos, se não tem nada a ver com culturas andinas só encontraríamos um paralelo nas culturas do Mediterrâneo, anteriores a era cristã, inclusive, pelo tamanho e peso das pedras. 
Ao que parece existem mais ruínas em propriedades vizinhas. Quem sabe o massacre e a destruição que está acontecendo. Também há noticias de formações curiosas em Lagoinha, cerca de 60 km ao leste deste sítio, e também na conjunção da estrada para Salesópolis com a rodovia Tamoios.  
Olhando a fotografia aérea da cidade de Lagoinha é possível ver no topo de um morro, a uns 1250 metros ao leste da cidade onde existem muitos montículos com mais ou menos 10m de diâmetro que se não são apenas efeito da fotografia, com certeza são obra humana. Parece haver mais, porém, mais apagados. 
O preocupante é que o sitio de Natividade da Serra não existe oficialmente. Pelo o que sei, ninguém assumiu a responsabilidade de proteger, muito menos estudar, assim como tantos outros pelo Brasil afora. E para mim, este sítio, escandalosamente interessante, guarda vestígios arquitetônicos da pré-história brasileira e se faz um fato sem precedentes oficiais na arqueologia brasileira. 
E se seguirmos dessa maneira, nunca vai haver um lugar para a arqueologia de arquiteturas na pré-história brasileira, porque todas as evidências e sítios que se enquadram nesse caso vêm sendo sistematicamente destruídos já por séculos e nada consegue chegar para ser oficialmente reconhecido ou estimular esse ramo da arqueologia. 
É por isso que a pré-história brasileira é escassa de culturas mais refinadas. Provavelmente, existem, mas, não conseguem colocar a cabeça fora da água. E quando afloram, vem alguém e pisa.
Não se trata de uma conspiração dos organismos oficiais, se trata de ineficiência pura e falta total de recursos para o setor. Há poucos arqueólogos no Brasil e para sobreviver não podem se meter em áreas desprestigiadas. E para piorar as coisas, a população é mantida ligada em assuntos medíocres como crimes, acidentes, futebol etc.
Não tenho nada contra o futebol, mas futebol é para ser praticado, não para se tornar um fanático de arquibancada. Como o público está ligado nas futilidades que lhe são impostas, outros temas como a arqueologia não dão ibope.
E assim, o homem moderno está sendo levado a ser um espectador de sofá e não um ator da vida. E o que está acontecendo no sítio aqui comentado é perturbador para qualquer pessoa consciente nesse país.
Fonte AQUIOLOGO VIA http://migre.me/lxWA4