quinta-feira, 14 de abril de 2016

CICLO DO OURO (Transcrição)

Ciclo do ouro
Na primeira metade do século XVIII, Minas Gerais tornou-se o centro econômico da colônia, com rápido povoamento. Em 1709, foi criada a Capitania de São Paulo e Minas de Ouro, desmembrada da Capitania do Espírito Santo. Em 1720, a Capitania de Minas Gerais foi separada da Capitania de São Paulo, tendo como capital Vila Rica (atual Ouro Preto).

Com o apogeu da região mineradora, a escravidão foi adotada como forma dominante de organização do extrativismo. Com a mineração e a escravidão negra economicamente rendosas, 500 mil negros foram inseridos na capitania.

Entre 1700 e 1850, 160 grupos de negros africanos de três regiões distintas foram trazidos para Minas Gerais: os sudaneses, os bantus e os moçambiques. Nessa época, a população negra na região nunca foi inferior a 30% da população total.

Os negros “Minas” embarcados no porto de São Jorge de Mina, atual Elmina em Gana, eram os mais aptos para trabalharem nos muitos garimpos de ouro existentes no início do povoamento de Minas Gerais, pois já exerciam esta profissão na África, enquanto os bantos, vindos de Angola e Moçambique, eram mais aptos para o trabalho na lavoura.

Destacavam-se as chamadas Vilas do Ouro – Ouro Preto, (estudada em História de Ouro Preto com mais pormenores), Mariana, Caeté, São João del-Rei, Catas Altas, Pitangui, Sabará, Serro e Tiradentes – e também Diamantina. No entanto, a produção aurífera começou a cair por volta de 1750, o que levou Portugal a buscar meios para aumentar a arrecadação de impostos, provocando a revolta popular, que culminou na Inconfidência Mineira, em 1789.

Conta Augusto de Lima Júnior, em A Capitania de Minas Gerais, que grande parte dos pioneiros portugueses que se instalaram nos povoados ao redor de Mariana e Ouro Preto eram cristãos-novos, e que muito dos costumes e expressões mineiras vêm desses cristãos-novos, como a palavra hebraica “Uai” e o costume de sangrar todos os animais antes de cozinhá-los. Lembra Lima Júnior, também, que o antigo nome de Minas Novas, “fanado”, significa “circuncisado”.