domingo, 13 de novembro de 2016

MINERAÇÃO NO BRASIL 1 - OURO (Transcrição)

1.1— Descobertas Brasileiras Alguns historiadores — e não todos — entendem que a exploração do ouro no Brasil iniciou-se na Capitania de São Vicente. O ouro de lavagem (ou de aluvião) foi aí descoberto em 1597, por Afonso Sardinha e o filho, do mesmo nome, nas serras de Jaguamimbaba e de Jaguará, perto da Vila de São Paulo e no interior. Quantidade mínima e efêmera, passou-se um século daí por diante até começar o ciclo do ouro de beta que seria em terras do atual estado de Minas Gerais. No séc. XVIII, em alguns pontos do atual Estado de São Paulo encontrou-se o precioso metal. Sendo realmente contraditórios os depoimentos relativos ao primeiro descobrimento de ouro no Brasil, notamos aqui o que afirma o conhecido historiador Hélio Viana: "... é mais aceito ter sido Antônio Rodrigues Arzão o que encontrou ouro, antes que todos, em 1693, à frente de uma bandeira, em ponto indeterminado, na atual região das Minas Gerais. E levou o precioso minério ao Governador Castro Caldas, no Rio de Janeiro. Outro depoimento a ser respeitado é do Mestre-de-Campo José Rebelo Perdigão, atribuindo a Duarte Lopes — participante da bandeira de Fernão Dias Pais — o primeiro a encontrar ouro, o que aconteceu na região da atual Mariana (1694) . Pedro Táques, entretanto, considera descobridor Carlos Silveira e Bartolomeu Bueno Sequeira, fato este que teria chegado ao conhecimento do Rei D. Pedro II (1694) , através do Governador Caldas (Castro Caldas) , Outra versão nos dá o famoso jesuíta e cronista João Antonio Andreoni — que é o mesmo André João Antonil — , em 1711: “o descobridor inicial foi um mulato de Taubaté”, o achado ter-se-ia dado próximo a Ouro Preto”. Rapidamente se propagou a notícia do achado! Foi extaordinária a afluência de min^radores à região de Minas Gerais, vindos de São Vicente e do Rio de Janeiro. Transpunham muitos rios da bacia platina (o das Mortes e seus formadores ) em vez de procurarem o Paraopeba e das Velhas, como havia feito Fernão Dias Pais. Passaram por serras 11 da região de Ouro Preto, atingindo rios que descem para a bacia do Rio Doce, nos quais valiosas minas de ouro foram revelados nos últimos anos do século XVII como nos primeiros do seguinte. Muitos descobrimentos nas zonas dos Rios das Mortes e das Velhas, em Mariana, São João D’E1-Rei, São José D’E1-Rei (Tiradentes, hoje) . Nos primeiros decênios do séc. XVIII alargou-se a região aurífera das Gerais, que em direção ao norte atingiu o Serro do Frio e a Bacia do Jequitinhonha, no Arraial do Tijuco (hoje Diamantina) e para Noroeste as minas de Pitangui e Paracatu, também de Pernambuco e da Bahia chegava muita gente às minas, além do Rio de Janeiro e São Paulo. A afluência de candidatos à mineração causou grande escassês e carestia de mantimentos, chegando haver fome e morte por inanição. É muito difícil tratar-se da mineração, como aconteceu no Brasil, sem retratar uma série de episódios pátrios importantíssimos — como o gado, as monsões, os bandeirantes. . . as cidades, etc. Neste capítulo aqui não podemos deixar para depois o significado das bandeiras. Roberto Simonsen, em sua famosa História Econômica do Brasil, entende que a Coroa Portuguesa, de modo eficaz, estimulou os desco- brimentos das minas. Ainda no final do séc. XVII, D. Pedro enviou cartas a vários bandeirantes paulistas concitando-os às descobertas. A grande bandeira de Fernão Dias Pais, o governador das esmeraldas, que cruzou regiões mineiras por mais de seis anos, teve origem no apelo régio. Fernão Dias, o filho Garcia Rodrigues, o genro Manoel Borba Gato, Matias Cardoso de Almeida dirigiram a famosa bandeira que esta- beleceu contato com o período de pesquisas de ouro e muitas outras figuras legendárias na história das bandeiras paulistas. A essa bandeira de Fernão Dias parece ter cabido um papel fixador, por excelência, da atenção dos demais desbravadores para a região em que se foi encontrar o ouro aluvional em grandes massas. A história oficial de Minas começa com Fernão Dias Pais — l. a auto- ridade a ser investida com poderes sobre o território mineiro. Sua notável Bandeira são 7 anos de epopéia (1674-1681) . As primeiras jazidas auríferas realmente importantes manifestaram-se a partir de 1699; mês após novos depósitos se foram descobrindo, da riqueza fabulosa, sempre em Minas. Agora o Governador já é Artur de Menezes, que vai às Minas, em 1700 e perdoa Borba Gato, acusado de ter contribuído para o assassinato do Governador anterior. Mas o número de pessoas de Piratininga não era suficiente para ocupar todas as minas; deu-se a invasão dos forasteiros e os paulistas, não obstante todo o seu passado de sacrifício, a serviço dos descobrimentos de metais preciosos, passaram a constituir uma minoria na região das Minas Gerais. Repetindo: a descoberta de qualquer mina quase sempre é feita por um paulista. As minas chamadas GERAIS são as mais próximas da cidade do Rio de Janeiro, distância de 450 km aproximadamente.
Fonte: http://migre.me/vukkJ
Alto da Serra, Meia Lua, Itabaquara de cima, desfiladeiro de Itajubá,  Serra de Jaguamimbaba, na perspectiva de quem olha da estrada das Posses (Caminho do Ouro de Guaratinguetá - São João Del Rei)
 Alto da Serra, espaço colonial de Piquete-SP, Serra de Jaguamimbaba.